terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Inspirações literárias de Avatar

Acusações de que James Cameron, o diretor de Avatar, copiou sua história de outras fontes não faltam. O diretor se defende e diz que criou a história do nada, mas as semelhanças de seu épico com o que já existe mostra que certo estava quem disse que na arte nada se cria, tudo se copia.

A teoria mais popular diz que ele copiou sua história do quadrinho da Marvel, Timespirits. Nele encontramos uma mulher azul que vive na floresta. E, de fato, a semelhança visual entre Avatar e o HQ é impressionante, mas a história em si não tem grandes semelhanças.


Já o livro americano A Door into the Ocean tem semelhanças assustadoras com o filme. Publicado em 1986 por Joan Slonczewski fala da história de um povo azul que vive em contato com a natureza, preservando a harmonia entre as espécies do seu planeta até que humanos de um outro planeta decidem explorar as riquezas naturais de Shora.

Os Sharers (povo azul) moram em grandes árvores e protegem suas sementes para garantir a preservação do seu lar. Além disso são um povo sem medo que valoriza a honestidade consigo mesmos e a história do seu povo.



Outra semelhança entre o livro e o filme é que os Sharers tem uma rede composta pelos animais e o planeta que permite a preservação da memória do coletivo, seus costumes e histórias. Os humanos que invadem o planeta tentam matar esse rede para evitar que eles comuniquem e se unam. Assim como os Na'vi, os Sharers veem os humanos como crianças que não sabem controlar o medo e existir em harmonia com a natureza.

E é claro que um homem humano se apaixona por uma mulher destemida de Shora e trai seu próprio povo para ajudar na preservação do planeta.

Diferenças
As semelhanças entre o livro e o filme são grandes, mas há diferenças também. Shora é um planeta aquático (estilo Waterworld) e todos os seus habitantes são mulheres carecas que não usam roupa uma vez que passam o dia nadando e vestimentas não são adequadas para a água.

Além disso, no livro os humanos não vem da Terra, mas de Volan, que faz parte da confederação de planetas dos humanos que é chefiada pelo Patriarca, no melhor dos estilos da Ficção Steam típica dos anos 80.

Infelizmente o livro nunca foi traduzido e publicado no Brasil, mas é possível encontra-lo em sebos que vendem literatura em inglês.


Leia a resenha do livro

Um comentário:

Alexei Fausto disse...

Nada tem de original.