quarta-feira, 7 de maio de 2008

CrimethInc


A CrimethInc é um grande exemplo de até aonde a iniciativa pessoal pode chegar quando se fala de lançar livros fora do circuito das editoras. Até onde ela quiser.

Eles são um grupo anarquista do Oregon, EUA que se juntaram, apesar de continuarem independentes para fazer movimento social. Isso resultou em um monte de coisa. Hoje em dia eles não trabalham mais, ficam por conta do principal produto do grupo, a editora.

Eles tem sete livros publicados. Três são guias e manuais para o anarquismo. O mais famoso, o “Recipes for disaster” não é o que rola na internet com receitas de bombas. Ele prega a mudança social através de iniciativas mais “inocentes” e dá receitas, com direito a ingredientes e modo de fazer, para formação de coletivos, organização de festas, ser solidário, começar um grupo de ação social direta entre muitas outras coisas.

Os outros dois livros são o “Days of war nights of love”, que é um abc do anarquismo e o “Expect resistance”, que conta como tem sido a experiência deles como anarquistas ativos até agora.

Dos quatro restantes, dois são romances. Um é o “Off the map”, que conta a história de duas americanas que decidem viajar pela Europa de mochilão, carona e só ficar em squetchs. Esse livro tem uma história legal. As meninas da história realmente fizeram isso e durante a viagem foram publicando fanzines sobre sua experiência. O pessoal da crimethInc descobriu esse material e achou tão relevante para qualquer pretenso anarquista que eles xerocaram um monte de cópias e enviavam junto com qualquer pedido que recebiam. As meninas descobriram isso, entraram em contato com a editora e juntos eles transformaram os zines em um livro, que é esse amarelinho do site.

O outro romance é “Evasion”, que fala sobre freegans, pessoas que só comem o que acharam no lixo. Não acho legal ser freegan, o livro é formado por contos muito interessantes, mas todos tentam te convencer a ser freegan. Quem tem interesse na dieta vai gostar, com certeza.

Por último eles têm dois livros de poesia. “Rusty String Quartet” e “Stone Hotel”.

Todos os livros tem uma edição linda de morrer. Eu tenho alguns deles aqui e eles são muito bonitos! O papel é reciclado e a tinta é de soja, para não prejudicar o meio ambiente. Alguns tem cor dentro do livro e todos tem um capa colorida bonitona.

E o melhor, o mais caro deles custa U$ 12,00, uns R$ 20,00. E o mais barato? U$ 2,00, cerca de R$ 3,50 por um livro de primeira.

Além dos livros, eles disponibilizam material para download. Só trabalham com copyleft, então tudo é legal. Quem quiser conhecer mais o trabalho pode baixar a primeira edição da revista que eles fazem. Como a impressão dela acabou eles liberaram o dlownload. Vale a pena conhecer.

Claro que eu não estou falando que as editoras independentes brasileiras não estão se esforçando para diminuir o preço e aumentar a qualidade. Nós temos um sério problema de impressão que a galera do Oregon conseguiu resolver. Eles mesmos falam, ‘não conseguiríamos fazer isso no Brasil”. Mas como o Brasil é tudo que a gente tem, vale a pena pensar mais no assunto, ver o que podemos fazer para aumentar a presença de livros baratos, que tratam de temas diferentes e mostrar que a literatura vai além do romance.

11 comentários:

JOÃO RENATO disse...

A Crimethinc é mesmo um belo exemplo de uma iniciativa independente que deu muito certo. No site deles, existem fotos de livros enviados até para a Antártica. O que será que tem no Oregon que produziu a Crimethinc, o John Zerzan e a... Nike? rs

Ana disse...

Fiquei curiosa a respeito do pessoal que come o que acha no lixo e pesquisei um pouco.
Acho legal a filosofia de vida deles e respeito a intenção de levar uma vida de consciência limpa.
Mas catar coisas do lixo pra comer, por mais que se justifique de acordo com o que eles pensam, é um pouco demais.
Aí é preferível viver de prana...

ps: acho essas idéias a respeito de fazer livros mais baratos muito boa. É uma coisa a se pensar e efetivar, não acha?

... disse...

Eu só não entendi porque a Flávia disse que as histórias deveriam ser urbanas. Por que limitar?

Flávia Denise de Magalhães disse...

João,
eu acredito que tenha algo na água do Oregon. Não tem nenhuma outra explicação para um estado tão no meio dos EUA e tão sem visibilidade gerar tenta gente interessante!

Ana,
eu corcondo que fazer livros baratos seja algo que a gente deveria pensar e efetivar! Na verdade eu tenho projetos e conheço outras pessoas que também tem projetos nesse sentido. Acho que nossa geração tem grandes chances de ver essa mudança ocorrer..

...,
A temática da cultura urbana limita sim, mas ela faz parte do tema do meu projeto experimental. Na minha faculdade ele é feito em grupo e o meu grupo está estudando a mediação cultural de cultura urbana na blogosfera.

Para a parte prática estamos fazendo, cada um, um blog de um assunto dentro da cultura urbana. O meu é o primeiro a aparecer. Não posso fugir muito do tema porque os blogs devem ter a temática ligada entre si.

Mas posso falar de algumas coisas que não são estritamente cultura urbana. Mesmo porque o conceito dela é tão genérico que com um pouco de boa vontade a gente inclui o que quiser!

Renato disse...

O COLETIVO É REALMENTE UM EXEMPLO DO DIY. Como eles conseguem produzir livros tao baratos e de tao boa qualidade será sempre uma interrogacao para mim.

Vale lembrar que nem todos os livros sao feitos de papel reciclado e tinta de soja, apenas o recepies que eu saiba.

O recepies ajuda aqueles que nao estao satisfeitos com a sociedade, mas nao sabem que tem poder de mudar, e nem sabem como usar essa poder. O livro traz algumas boas idéias de como anarquizar

Parabéns pelo blog, uma boa iniciativa para o reconhecimento da literartura underground.

Kovacs disse...

Parabés pela postagem, assunto interessante, importante e bem escrito. Criei um link lá no meu mundo para a sua página.

Alexei Fausto disse...

Aí, bem que tu podia libertar um dos livros da crimethinc na minha frente.

:)

Desculpe pela demora, mas hoje foi o primeiro dia que consegui ter tempo para passear livremente na internet.

Gostei bastante até agora.

fabio disse...

oi :)

Ana disse...

Então! Vamos conversar... eu garanto a diagramação e a impressão. E conheço muitas gráficas que poderiam se interesar.

A coisa só acontece se acontecer, né? E eu bem que gostaria de embarcar num projeto desses :)

Kaléu Caminha disse...

Pessoal, se essa iniciativa de vocês for pra frente, podem me considerar um apoiador que fará o máximo pra divulgar isso tudo..

É uma grande idéia e se realmente existirem iniciativas no Brasil nesse sentido e puderem me informar, agradeço.

Abraços..

Anônimo disse...

Opa... da hora o texto.

Só uma coisa sobre FREEGANISMO. Ser Freegans não é só comer coisas do lixo. São pessoas que optam por viver apenas de coisas conseguidas gratuitamente. Aproveitar desperdicios de feiras livres é um exemplo. Plantar a propria comida tbm. Mas não só relacionado a comida, como tambem, pra não terem q pagar passagem anda a pé, de bicicleta, de carona...
mais sobre freeganismo no site www.freegan.info.