segunda-feira, 28 de abril de 2008

Trailer de Livro

A última novidade no mundo editorial é o trailer de livro. Um clip que teoricamente incita o leitor a comprar a obra. A novidade ainda está no começo, os formatos estão sendo testados e tals. Mas pelo que já tem ai, a idéia é muito idiota. Por quê?

Os motivos são muitos, mas tenho três principais. O primeiro é que o trailer coloca rosto e ambientação fixas na história, isso tira a graça de imaginar como cada coisa pode ser. Quando lemos um livro podemos "ver" cada personagem, detalhe ou o que for de acordo com as nossas experiências. Em grande parte é por isso que os filmes baseados em livros são uma grande decepção para fas do livro. Cada uma dessas pessoas imaginou a história de uma forma, como fazer um filme que vá de encontro com todas essas visões individuais. O trailer cria essa massificação antes mesmo da leitura. Já dita de que modo vamos ver e interpretar o livro. Acho isso um emboprecimento do literário.

Em segundo lugar tem que se pensar na veiculão. Onde esse trailer passa? O possível leitor tem que ir no you tube ou no site da editora para assití-lo. Isso restringe o número de pessoas que têm acesso ao trailer e pode torná-lo um produto caro e sem público.

Por último, os trailers que já estão por aí são simplesmente ruins!

Agora, uma outra iniciativa no sentido de transformar livros em imagens para vender e que me parece melhor é o que o tvlivro está tentando fazer. Eles abrem o site para editoras, escritores ou quem quiser enviar vídeos com entrevistas dos autores ou alguma imagens dele explicando sobre o que o livro é.

Para mim, isso é muito mais interessante do que um clip. Se o autor está animado com seu trabalho, você vê isso na entrevista. Quem melhor do que ele para te falar porque vale a pena ler o livro? As desvantagens do site são que para mandar um vídeo você tem que mandar um cd pelos correios. Além disso não dá para assitir nada se você, como eu, usar firefox. Sem dúvida estão na contramão da internet e da facilidade.

Caso você queira saber mais sobre o site, aqui tem uma matéria interessante de quando o portal foi lançado.

4 comentários:

Davi disse...

Achei a idéia boa por outro lado deve ser reformulada. A leitura no nosso país não é uma atividade cotidiana, apesar das iniciativas do governo, mas acho que incêntivar a leitura não basta, para vender livros é preciso fazer propagandas deles não generalisar, mas divulgar o livro específico que está sendo lançado. Há muitos livros bons, que chegam as livrarias e a maior parte do público não sabe por falta de divulagação. O trailer do livro pode não ser tão bom nesse formato, mas experimentando e adaptando pode se tornar uma boa opção para divulgação dos livros.

Flávia Denise de Magalhães disse...

Concordo quando você diz que é necessária mais propaganda de cada livro para vender. Tem muito livro bom que ninguém conhece. Porém, o problema real é que tem muito livro caro que ninguém consegue pagar.

O trailer do livro só funcionaria se já houvesse um público fiel de livros no Brasil. Esse público não existe hoje. Mesmo se você melhorasse o trailer e ele ficasse bom, não veríamos muita gente assitindo eles, porque não é muita gente que lê.

Para aumentar o volume de vendas de livros no Brasil não basta um trailer, tem que ter uma mudança na forma que o brasileiro encara o ato de ler.

JOÃO RENATO disse...

Acho q o publico brasileiro que lê é diminuto em razão do alto preço dos livros. Se os lançamentos custassem, no máximo, uns 20 reais, todo mundo leria mais.

Fabio Lisboa disse...

Um trailer de livro pode conquistar novos leitores ou vai apenas depreciar a obra?

Olá Flávia,
Parabéns pelo BLOG!

Concordo quando argumenta sobre a dificuldade da formação de um público leitor no Brasil – mas acho que com a gradual ampliação do acesso público gratuito à internet banda larga, as histórias (contadas inteiras por contadores de história ou animação) e até os trailers de livro (infantis e de alta qualidade, no caso) podem ser ilhas de resistência à enxurrada de vídeos “humorísticos” de gosto duvidoso (pra não dizer preconceituoso, violentos, consumistas, precocemente sexualizados, etc) destinados (ou não) à “criançada”.

Na sua mesma postagem através do Overmundo comentei que:

Bacana a discussão aberta pelo texto da Flávia Denise sobre até que ponto dar tudo mastigado para o "leitor-telespectador" e deixar pouco ar para imaginar (até mesmo depreciando, aprisionando uma obra criativa) ou conquistar um novo público para a literatura (através do meio audiovisual o qual este público já está acostumado) deixando, assim, os futuros leitores sem ar - de tanta curiosidade (rs) - querendo entrar (ou se aprofundar) no mundo das palavras imaginadas.

Convido-os a entrarem no meu blog e darem a sua opinião sobre o trailer produzido para um livro de minha autoria. Trata-se de literatura infantil e a proposta foi criar uma animação não muito animada (sem ser desanimada, claro, rs) que explorasse com "profundidade" as ilustrações (seja mudando o ponto de vista, o foco ou a movimentação) e citasse alguns dos temas a serem explorados pelo (ou a partir do) livro, como o medo e a cultura de paz.

Procurem pela postagem
Convite Lançamento:
O Mistério Amarelo da Noite
www.fabiolisboa.com.br

Abs,
Fabio