domingo, 25 de maio de 2008

Bienal do Livro de Minas


Eu acabei de voltar da Bienal do Livro de Minas. Hoje foi o último dia, então como toda boa proteladora eu só fui lá hoje! Aconteceu no Expominas, um pouco longe, mas valeu a pena, faz tempo que não vejo tanto livro junto e isso sempre me deixa feliz!

Não vi nenhum dos eventos, bate-papo ou qualquer coisa do tipo. Eu fui lá atrás de livros e entre as 16 e as 20h eu e mais dois aficionados por leitura fizemos um zigue-zague entre os corredores e estandes. No final visitamos TODOS os estandes, apesar de nao temos entrado nos de religião.

No final o saldo foi de cinco livros novos, sendo o mais caro "A misteriosa chama da rainha Loana" do Humberto Eco, edição nova e bonitona de R$16,90. Eu comprei ele no estande que, na minha opinião, foi o que mandou melhor, o da Leitura. Quem diria que a grande livraria capitalista de Belo Horizonte teria a sensibilidade de fazer coisas tão legais. Para começar, o estande deles tinha uma entrada com limite de gente por vez.

Isso quer dizer que enquanto nos outros estades tinha gente te empurrando e esbarrando em você até chegar a raiva, na leitura você ficava um pouco irritado na fila, mas ela andava rápido e uma vez do lado de dentro, dava para andar e olhar livros sem empurrões ou estresse, como se estivesse numa livraria normal, só que um pouco menor.

Além do conforto eles tinham livros com até 70% de desconto. E não eram dois livros que já acabaram e o resto era de 5% não. Tinha Stephen King de R$ 15,00 e Kurt Vonnegut de R$ 4,90! A única coisa que ficou faltando foi as outras editoras e livrarias terem a mesma idéia de usarem de forma inteligente o evento.

Eu gostei muito da Bienal, sempre é legal esse tipo de coisa, mas tenho que dizer... A Feira do livro nao é exatamente assim, só que menor? Qual é o objetivo de começar outro evento igual a um que já existe? Eles podiam ter ao menos inventado algumas coisas diferentes para acontecer lá... E não me diga que teve coisas diferentes, não. Tudo que tinha lá, tem na Feira do Livro, só que maior e mais glamoroso...

3 comentários:

Paulo disse...

Ao que entendi, existem dois fatos simultâneos e complementares: 1. Bienal do Livro passa a existir e 2. Salão do Livro deixa de existir.

E tinha de diferente o stand da Livraria Pontes, especializada em livros sobre futebol e que se apossou de todo o dinheiro do qual eu poderia dispor.

Flávia Denise de Magalhães disse...

Ahhh.. Como eu disse, igual ao salão do livro, só que maior. Maior inclui mais estandes e editoras. Ora!

Indieoteca disse...

te linkei no meu blog (agora eu tb tenho um, veremos se vai durar)
www.indieoteca.blogspot.com
ah, é a Taís